piemonte fm

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Grupo diz no Facebook que animais são envenenados e mortos na UFPB; reitoria apura

Caso está sendo analisado pela Delegacia de Meio Ambiente e investigação deve ter resultados em até 30 dias; envenenamento aconteceu no Centro de Ciências da Saúde da universidade

Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente | Em 26/01/15 às 16h17, atualizado em 26/01/15 às 18h46 | Por Ewerton Correia
Reprodução/ONG Adota João Pessoa
Local foi interditado e autoridades apuram
Um grupo defensor dos animais usou a página Adota João Pessoa para denunciar que gatos teriam sido mortos por envenenamento dentro da Universidade Federal da Paraíba. A denúncia foi postada no sábado (24), mas a reitoria da instituição e a Polícia do Meio Ambiente se pronunciaram sobre o caso nesta segunda-feira (26).


Através do Facebook, integrantes explicaram que no fim de semana uma adoção deveria acontecer na UFPB, mais precisamente no Centro de Ciências da Saúde (CCS), mas não foi possível após a constatação da morte de cinco gatos, que teriam ingerido alguma substância tóxica.

De acordo com o grupo, a morte dos animais aconteceu após a entrada deles em uma cantina da universidade, onde há a suspeita de que houvesse algum tipo de veneno. “Vimos gatos sadios entrarem na cantina e depois de ingerir algo que estava no chão, saírem desnorteados e envenenados; tentamos de tudo para salvar os animais ali presentes”, postou o grupo. Ainda segundo a postagem, o grupo Adota João Pessoa buscou ajuda da UFPB, mas não obteve nenhum apoio.
A reitora Margarete Diniz negou que a UFPb tenha se negado a prestar auxílio no caso e disse que o grupo teve apoio do diretor do centro onde ocorreram as mortes. “Eu não estava em João Pessoa, então a chefe de gabinete ligou para o diretor do CCS, Reinaldo Almeida; ele foi até o local e acompanhou o caso; na universidade, consideramos o envenenamento de animais um crime através da resolução nº 28/2014; lamento profundamente o acontecido e os culpados têm que ser responsabilizados pelo delito”, disse ela.

O professor Reinaldo Almeida disse ao Portal Correio que fez o possível para ajudar. “Passei o dia todo dando apoio naquilo que era possível, do sábado para o domingo; uma área onde pode haver veneno foi isolada e providenciei meios para conservar os corpos dos animais para a investigação”, afirmou ele.

O Centro de Zoonoses da Capital informou que não registrou nada sobre o caso, até esta segunda-feira (26).

A equipe Adota João Pessoa registrou um boletim de ocorrência e conseguiu uma ordem para realizar perícia nos corpos dos gatos. O delegado de Meio Ambiente, José Guedes Sobrinho explicou que o caso já está em andamento. “Foi instaurado um inquérito policial, realizada a coleta de prova e agora vamos ouvir as testemunhas. Para isso, há um prazo de 30 dias, mas o caso pode ser encerrado até antes”, explicou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário