piemonte fm

terça-feira, 31 de março de 2015

Ambulância do Samu na Paraíba é flagrada levando moto e maca é usada como rampa


Assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde de Campina Grande disse que estava sabendo do vídeo e uma nota será divulgada sobre o posicionamento do governo municipal
Saúde | Em 31/03/15 às 09h48, atualizado em 31/03/15 às 11h35 | Por Hyldo Pereira
Reprodução
Maca é usada como rampa para retirar moto
Uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), administrada pela Prefeitura Municipal de Campina Grande, a 118 km de João Pessoa, foi flagrada por um cinegrafista amador transportando uma moto e a maca da unidade foi feita de rampa de acesso para o veículo. O caso teria acontecido nessa segunda-feira (30). (veja abaixo o vídeo com o flagrante).
As imagens foram feitas na rua João Suassuna, no Centro de Campina Grande. No vídeo é possível ver quando o veículo de transporte de pacientes para em frente a uma oficina e um dos servidores do Samu abre a porta traseira da ambulância e retira uma motocicleta. A moto, chamada de ‘motolância’, pertence ao Samu e também é utilizada no socorro às vítimas.

Conforme a equipe de reportagem da TV Correio HD, na rua funciona diversas oficinas de conserto e venda de peças para motos. O dono do estabelecimento para onde a motolância foi levada para revisão não quis falar sobre o assunto. O Samu de Campina Grande possui dez ambulâncias e três motolâncias em funcionamento, além de unidades para reserva técnica.
De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Campina Grande, a ambulância que aparece no vídeo não estava mais sendo utilizada para atendimentos e a sua substituição já havia sido solicitada ao Ministério da Saúde, conforme assegura a Portaria Nº 356/2013. A unidade móvel também já está em processo de descaracterização da padronização visual do SAMU 192. No entanto, mesmo nesta situação, a ambulância não deveria ser utilizada para realizar este tipo de transporte, pois a Secretaria de Saúde dispõe de serviço especializado para remoção de veículos em manutenção.
Ainda segundo a nota oficial, a maca que aparece no vídeo, sendo utilizada na remoção da motolância é de madeira e não faz parte da linha de equipamentos médicos para tal finalidade em uso atualmente pelo SAMU 192 de Campina Grande, que são feitos de polipropileno. Devido ao procedimento irregular adotado neste caso, a Secretaria Municipal de Saúde vai abrir processo administrativo para averiguar responsabilidades e punir os envolvidos no caso. A Secretaria de Saúde assegura ainda que qualquer postura de desvirtuamento da missão do SAMU 192 não condiz com as diretrizes da gestão municipal.

Veja o vídeo com o flagrante.

Filho de prefeito do Sertão é encontrado morto em apartamento na Capital

Tancredo Gomes Fernandes tinha concluído o curso de Direito há poucos dias

Cidades | Em 31/03/15 às 10h34, atualizado em 31/03/15 às 11h29 | Por Redação
Reprodução/Facebook
Família suspeita que jovem tenha sofrido infarto
Um jovem de 23 anos foi encontrado morto em um apartamento localizado na capital paraibana na manhã desta terça-feira (31). Tancredo Gomes Fernandes era filho do atual prefeito de Uiraúna (Sertão do estado, a 476 km de João Pessoa), João Bosco Nonato Fernandes. A informação foi confirmada ao Portal Correio pelo assessor da prefeitura de Uiraúna, Geraldo Andrade.

De acordo com o assessor, Tancredo tinha concluído o curso de Direito há poucos dias. O corpo do jovem foi encontrado pela empregada doméstica que trabalha no apartamento do bacharel em Direito.
“Ele demorou para sair do quarto para tomar café da manhã e ela estranhou. Ao chegar no quarto, a moça viu Tancredo deitado na cama e percebeu que ele estava sem vida”, contou Geraldo Andrade.
A família suspeita de que o jovem tenha sido vítima de um infarto, mas até as 10h30 a causa da morte ainda não havia sido confirmada. Tancredo Gomes Fernandes era o filho caçula de João Bosco Nonato Fernandes e da primeira-dama Juliete Gomes Fernandes.  

Reajuste dos preços de remédios poderá ser de até 7,7%, diz governo

Autorização foi publicada no 'Diário Oficial da União' desta terça-feira.

Empresas já estão liberadas para aplicar o aumento.

Do G1, em São Paulo
Ana Paula guarda medicamentos para emergências em Ribeirão Bonito (Foto: Rodrigo Sargaço/EPTV)Reajuste máximo autorizado é de 7,7%
(Foto: Rodrigo Sargaço/EPTV)
Os remédios poderão ficar mais caros a partir desta terça-feira (31) em todo o país. A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamento (CMED) fixou em até 7,7% o ajuste máximo permitido este ano aos fabricantes na definição do preço dos medicamentos.
A decisão foi publicada no "Diário Oficial da União" desta terça-feira.
A regulação é válida para um universo de mais de 9.000 medicamentos e os ajustes são autorizados em três níveis, conforme o perfil de concorrência dos produtos.
O nível 1, que tem o maior percentual de reajuste, inclui remédios como omeprazol (gastrite e úlcera); amoxicilina (antibiótico para infecções urinárias e respiratórias). No nível 2, cujo percentual é de 6,35%, estão, por exemplo, lidocaína (anestésico local) e nistatina (antifúngico). No nível 3, que tem o menor índice de aumento, 5%, ficarão mais caros medicamentos como ritalina (tratamento do déficit de atenção e hiperatividade) e stelara (psoríase).
A autorização para reajuste leva em consideração três faixas de medicamento, com mais ou menos participações de genéricos. O reajuste segue a lógica de que nas categorias com mais genéricos a concorrência é maior e, portanto, o reajuste autorizado pode ser maior.
O ajuste de preços considera a inflação acumulada em 12 meses até fevereiro, calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e que ficou em 7,7%. Em 2014, o reajuste máximo autorizado foi de 5,68%.

Jovem degola namorada grávida e entrega cabeça a polícia

  

98c8oxpwtq_75bndoigqy_file
Shirley Souza (foto), de 16 anos, estava grávida de sete meses (Foto: Reprodução/Rede Record)
Um assassinato bárbaro, que chocou moradores do Jardim Selma, zona sul de São Paulo. José Ramos da Silva, de 23 anos, confessou ter degolado a namorada dele, Shirley de Souza, de 16 anos, grávida de sete meses. Dois dias após o crime, ele pegou a cabeça da vítima, que estava em uma mochila e levou até uma delegacia.
Shirley foi morta na quinta-feira (26). O corpo dela permaneceu na casa do assassino até sábado (28), quando o cheiro forte já era perceptível, e ele decidiu arrastá-lo até os fundos da residência.
Enquanto os vizinhos achavam a vítima no local, na noite de sábado, José seguia com a mochila até uma delegacia no centro de São Paulo. Lá, ele entregou a cabeça da garota e confessou o crime. O corpo de Shirley estava enrolado em um cobertor, envolto em um saco plástico.
Em depoimento, ele disse que no dia do crime a adolescente teria confessado que o traiu. Ele também argumentou que suspeitava não ser o pai do bebê que ela esperava. O rapaz já teve a prisão decretada e irá nos próximos dias para um Centro de Detenção Provisória.

Presidente da CDL afirma que crise tem afetado comércio paraibano


Presidente da CDL afirma que crise tem afetado comércio paraibano
 A crise econômica que atinge o País tem preocupado o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL/CG), Artur Almeida (Bolinha). Em entrevista a Rádio Caritité AM, ele revelou que a crise tem atingido o comércio varejista, especialmente na Paraíba. Bolinha afirmou que a queda nas vendas e contratações decorre da crise que já estava estabelecida e esclarecida em 2014.

Ele colocou que a estabilidade econômica de um determinado local está diretamente ligada ao ambiente que se desenvolve no país. Também apontou que, em 2015, é possível notar comerciantes perdendo seus postos de vendas e profissionais da área ficando desempregados.

- O comércio varejista termina sendo a extratificação do ambiente econômico que existe na cidade, ou até mesmo no país. O país sentiu muito em 2015 e em 2015 continua da mesma forma. Se não há expansão econômica, temos menos investimentos – frisou Bolinha.

Redação

Agricultor suspeito de estuprar enteada em SP é preso na Paraíba

Prisão foi feita em um sítio na cidade de Alhandra, no Litoral Sul. 

Suspeito teria fugido para a Paraíba após o caso.

Do G1 PB
Um agricultor de 36 anos foi preso pela Polícia Militar da Paraíba na manhã desta segunda-feira (30), suspeito de abusar sexualmente da enteada. O suspeito era procurado no estado de São Paulo, onde o caso teria acontecido, e a prisão aconteceu em um sítio na zona rural da cidade de Alhandra, no Litoral Sul paraibano.
De acordo com a PM, a polícia de São Paulo recebeu informações de que o homem teria fugido para a Paraíba e os policiais da região de Alhandra receberam denúncias de onde o suspeito estaria escondido.
“O suspeito é plantador de inhame na Região e há seis anos morava no estado de São Paulo, vindo pelo menos três vezes aqui na Paraíba, principalmente no período de colheita”, disse o capitão da PM Kelton Pontes, responsável pela prisão.
O homem foi apresentado na Delegacia da Polícia Civil da cidade de Alhandra e ainda esta semana deve ser encaminhado para a cidade de São Paulo.

Alunos invadem reitoria da UFPB mais uma vez e pedem melhorias em restaurante

Até o fim da noite desta segunda, o movimento continuava e não havia previsão para uma desocupação das dependências da reitoria; Polícia Federal estava no local e negociava com estudantes

Cidades | Em 30/03/15 às 23h48, atualizado em 30/03/15 às 23h56 | Por Gustavo Medeiros
Divulgação
UFPB em João Pessoa
Alunos da Universidade Federal da Paraíba ocuparam a reitoria da instituição, na noite desta segunda-feira (30), para demonstrar insatisfação pelos serviços de alimentação do restaurante universitário, fazendo reivindicações por melhorias. Há menos de uma semana, uma confusão no restaurante deixou um estudante ferido. Dias antes, outra ocupação, de cerca de 100 estudantes, ocorreu na reitoria. O grupo, que mora na residência universitária, fazia queixas sobre o atraso no pagamento de um auxílio-moradia de R$ 220


No caso desta segunda, de acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Federal, a manifestação estava ocorrendo de forma pacífica. Uma funcionária da reitoria solicitou apoio após a entrada dos alunos e três policiais federais se dirigiram à instituição para negociar. Os estudantes se negavam a sair do local. A quantidade de manifestantes ainda não havia sido apurada.

A redação do Portal Correio questionou a assessoria da reitoria sobre a ocorrência, mas a mesma declarou não ter informações sobre o caso.

Até o fim da noite desta segunda, o movimento continuava e não havia previsão para uma desocupação das dependências da reitoria.