piemonte fm

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Filho de Fernandinho Beira-Mar recebe alvará e deixa presídio na PB

Luan Medeiros tem um habeas corpus do STF que lhe garantiu liberdade.
Segundo advogada, alvará de soltura foi assinado no fim da tarde.

Jhonathan OliveiraDo G1 PB
165 comentários
Filho de Fernandinho Beira-Mar recebe alvará e deixa presídio na PB (Foto: Walter Paparazzo/G1)Luan Medeiros recebeu alvará e deixou o presídio PB1 acompanhado da advogada na noite da quinta-feira
(Foto: Walter Paparazzo/G1)
Preso na Paraíba desde agosto de 2010, Luan Medeiros da Costa, filho do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, foi solto na noite desta quinta-feira (24). Ele tinha sido condenado a sete anos de prisão por tráfico, em 2011, pela Justiça de Campina Grande, mas um habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) lhe garantiu o direito de deixar a cadeia.
O juiz Carlos Neves assinou o alvará de soltura no fim da tarde desta quinta-feira. A liberação de Luan aconteceu às 20h20 e foi confirmada pelo diretor adjunto Deywison Xavier Cabral dos Santos da Penitenciária Romeu Gonçalves de Abrantes, o presídio PB1.
Luan foi preso pela Polícia Federal em 2010, com outros dois suspeitos, em Campina Grande. Foram encontrados com o trio quatro quilos de cocaína. Desde a condenação ocorrida em 2011, o filho de Beira-Mar cumpria pena no presídio  PB1, em João Pessoa.
O primeiro habeas corpus em benefício de Luan Medeiros foi concedido pela Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiçaem dezembro de 2013. A corte anulou a sentença que condenava o filho de Beira-Mar, mas optou por manter a prisão negando o direito de recurso em liberdade. Insatisfeita, a defesa do jovem recorreu ao STF e, em 18 de fevereiro, o ministro Celso de Mello concedeu de forma liminar um outro habeas corpus em benefício do acusado.
O magistrado entendeu que ele estava sofrendo “constrangimento ilegal por parte do STJ em razão do excesso da prisão cautelar”. Após a decisão, foi expedido alvará de soltura do jovem, só que  havia um pedido de prisão preventiva relativo a um outro processo com a mesma acusação e por isso ele continuou preso.
No entanto, em sentença publicada na quarta-feira (23) o juiz  Edivan Rodrigues da Costa, da Vara de Entorpecentes de Campina Grande, extinguiu a punibilidade do acusado nessa segunda ação, tendo em vista que ele já tinha sido condenado. Com isso, a decisão liminar de Celso de Mello passou a ter validade e Luan foi solto.
“Desde a publicação da sentença na quarta-feira a prisão de Luan passou a ser é ilegal”, afirmou a advogada de defesa, Cynthia Denize Cordeiro. Ela informou ao G1 que a liberdade foi concedida após apresentar  uma petição à Vara de Entorpecentes de João Pessoa dando conta que com decisão da Justiça de Campina Grande as duas manifestações das cortes superiores deveriam ser atendidas.
A sentença que acabou livrando Luan da cadeia condenou a mais de 21 anos de prisão o traficante Francisco de Assis Clemente, mais conhecido como Passinho. O homem é apontado como comandante do tráfico de drogas nos bairros do Jeremias e Araxá, em Campina Grande.

Nenhum comentário:

Postar um comentário