piemonte fm

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Garçom é morto 24h depois de denunciar traficante e deixar delegacia no Litoral Sul



De acordo com Aneilton Castro, delegado titular da seccional do Litoral Sul, a Polícia Militar prendeu na segunda (10) Adalberto, uma mulher e outros dois homens suspeitos de receptação de motos roubadas

Polícia | Em 11/02/15 às 10h06, atualizado em 11/02/15 às 10h18 | Por Hyldo Pereira
Divulgação/ PM
Adalberto Urbano
O garçom Adalberto Urbano Moreira, 31 anos, foi assassinado a tiros em um dos loteamentos da cidade de Conde, na Região Metropolitana de João Pessoa. O homicídio ocorreu na noite dessa terça-feira (11). A Polícia Civil trabalha com a hipótese da morte está relacionada com a delação dele sobre um ponto de drogas.
De acordo com Aneilton Castro, delegado titular da seccional do Litoral Sul, a Polícia Militar prendeu na segunda (10) Adalberto, uma mulher e outros dois homens suspeitos de receptação de motos roubadas. Foram levados para delegacia onde a autoridade policial questionou o porquê do garçom está sem o documento de identificação.
“Quando o quarteto chegou na delegacia para prestar esclarecimentos, o delegado perguntou pelo documento de identificação de Adalberto, que revelou que estaria em poder da mulher (que foi detida), em um ponto de venda de drogas, em virtude dele ter pego cinco pedras de crack com ela. Então o RG seria como uma garantia para ele quitar a dívida”, disse o delegado.
Ainda segundo Castro, os suspeitos foram liberados após prestar depoimento e o pagamento  fiança. O valor não foi informado. Horas depois, Adalberto Urbano foi assassinado a tiros quando caminhava por uma rua do loteamento Nossa Senhora das Neves, no Conde. “Investigadores estão trabalhando para elucidar o crime, mas acreditamos que por ele ter denunciado a mulher e o ponto de drogas, a vítima pagou com a vida. Ainda é prematuro dizer que foi ela [a traficante] que mandou matá-lo, mas tudo leva a crê isso”, pontuou.
Conforme a Polícia Civil, Adalberto Urbano tinha um mandado de prisão pela Lei Maria da Penha por ter agredido a esposa, mas tinha conseguido na Justiça um alvará de soltura, que inclusive estava em poder dele na hora prisão. O corpo foi levado para Gerência Executiva de Medicina e Odontologia Legal (Gemol), no bairro do Cristo Redentor, em João Pessoa. O cadáver foi necropsiado e liberado para velório e sepultamento.
Outro homicídio
Um homem foi encontrado morto dentro de um matagal na cidade de Pitimbú, também no Litoral Sul do estado, nessa terça (10). Segundo a Polícia Militar, a vítima estava sendo investigada suspeita da prática de homicídios e estava desaparecida há dias. O corpo foi encontrado enterrado e ao lado a polícia encontrou uma motocicleta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário