piemonte fm

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

PF desmonta quadrilha suspeita de fraudes na Previdência; prejuízo poderia passar de R$ 100 mi

São cumpridos 17 mandados de prisão preventiva, 11 de prisão temporária e 30 mandados de busca e apreensão

Polícia | Em 09/09/15 às 08h08, atualizado em 09/09/15 às 08h38 | Por Redação
Imagem compartilhada no WhatsApp
Polícia Federal cercou casa no bairro Funcionários, em JP
Uma quadrilha suspeita de fraudar concessões de benefícios previdenciários, como aposentadorias e pensões, foi desarticulada na manhã desta quarta-feira (9) na Operação Fanes, deflagrada pela Polícia Federal, com apoio do Ministério Público Federal e do Ministério da Previdência Social.

As fraudes foram descobertas no ano passado e a Polícia Federal estima que, desde então, mais de R$ 3 milhões tenham sido desviados dos cofres públicos.  Quando considerada a expectativa de vida dos supostos beneficiários, tanto dos benefícios concedidos já indicados como fraudulentos, quanto daqueles que passarão por auditoria, o prejuízo evitado poderá ultrapassar os R$ 100 milhões.
São cumpridos 17 mandados de prisão preventiva, 11 de prisão temporária e 30 mandados de busca e apreensão, nas cidades de João Pessoa, Campina Grande, Cajazeiras, Patos, Puxinanã, Mogeiro, Caturité e Recife. Participam da operação 140 policiais federais e 16 servidores da Previdência Social. Todos os mandados foram expedidos pela 6ª Vara Federal da Seção Judiciária da Paraíba em Campina Grande.
Segundo a Polícia Federal, a organização criminosa utilizava documentação fraudulenta para comprovar o exercício de atividade rural e, em muitos casos, chegava a conceder benefício rural com base apenas em entrevista, sem juntar qualquer documentação. Imediatamente após a concessão eram incluídos empréstimos consignados, primordialmente por meio de operadoras de crédito e financeiras.
Outra forma de atuação era a concessão de pensões previdenciárias por morte, baseadas em documentos irregulares, criando, por intermédio de documentos falsos, tanto o instituidor (falecido) quanto o beneficiário.
Os investigados na Operação Fanes responderão pelos crimes de Organização Criminosa, Lavagem de Dinheiro, Inserção de Dados Falsos em Sistema de Informação e Estelionato.
Detalhes da investigação e resultados da operação serão divulgados na tarde desta quarta-feira, em coletiva de imprensa na Delegacia de Polícia Federal em Campina Grande.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário