piemonte fm

sábado, 1 de agosto de 2015

Choro no carro, decepção com Ney, solidão no CT: o PV que perseverou

  
PV
PV
Após ficar um mês e meio fora por conta de uma fratura na perna direita, Paulo Victorretorna à meta do Flamengo no jogo contra o Santos, neste domingo - às 16h, no Maracanã -, justamente na mesma época em que completa um ano desde que assumiu de vez a titularidade do time. O "aniversário" representa muito para o goleiro, que passou por poucas e boas até alcançar seu objetivo. Já são 10 anos de clube, nove como profissional, a grande maioria deles na reserva. Já foi segunda, terceira, quarta opção dos treinadores que passaram pelo Rubro-Negro. Mas ele chegou lá. Por isso, os funcionários do Ninho do Urubu, principalmente os mais antigos, veem em PV um exemplo de paciência, perseverança e superação.
O camisa 48 alimenta enorme gratidão por Joel Santana e Vanderlei Luxemburgo, treinadores que acreditaram em seu potencial e lhe deram oportunidade. E, além do apoio dos pais, sogros, demais familiares a amigos, agradece principalmente à esposa, que está grávida, por viver talvez o melhor momento de sua vida. Hoje, Paulo Victor tem uma vida bem estruturada, é ídolo da torcida rubro-negra e espelho para os goleiros mais novos César, Daniel e Thiago, a quem procura sempre orientar. Durante esse longo caminho, no entanto, precisou superar diversas barreiras e momentos de desânimo. Revivendo as lembranças no centro de treinamento onde morou por vários anos, ele contou os episódios mais marcantes dessa fase difícil em entrevista exclusiva ao GloboEsporte.com. Veja a seguir.

Em alta velocidade, só o início no Fla
Paulo Victor: Minha chegada aqui já foi uma surpresa. Eu iria para um outro clube. Um cara me indicou para cá, aí vim para o Flamengo. Em um ano, eu era o terceiro goleiro dos juniores e virei titular. No outro ano subi para o profissional. Nesse tempo até que as coisas aconteceram rapidamente. Depois começou esse momento de prova, oito anos brigando pela titularidade. Fui quarto goleiro durante quatro ou cinco anos, terceiro goleiro durante dois ou três anos, segundo goleiro durante três anos. Claro que no meio disso não tem só coisas boas. Também não digo que são ruins, porque peguei tudo isso e transformei em coisas boas.

Choro no carro
Acho que foi em 2007, eu era o quarto goleiro. Às vezes ficava um ano inteiro sem entrar em coletivo. Eu chegada na Gávea sabendo que treinaria no campo do lado. Só entrava mesmo nas finalizações e nas faltas. Nos outros dias era a mesma coisa. Até que um dia o treinador (Ney Franco) disse que me colocaria no coletivo. Corri para o gol. Entrei no gol, passaram uns 20 segundos, e acabou o coletivo. Meu olho encheu de lágrimas naquele momento. Ainda tive que terminar o treino na parte de finalizações. Quando acabou, entrei no meu carro, saí da Gávea para o CT, onde eu morava, e vim chorando, pensando na vida e nas coisas. Mas acho que a gente tem que pegar as coisas difíceis e transformá-las em coisas produtivas. Se vivi aquilo, foi para amadurecer. Se a gente fizer o certo, uma hora dá certo.
Paulo Victor Flamengo x Coritiba (Foto: André Durão / Globoesporte.com)Dono da posição, o goleiro volta de lesão para seguir em alta na meta rubro-negra (Foto: André Durão / Globoesporte.com)
Ônibus, chuva e brincadeira de Renato Abreu
Em 2005 eu ainda não tinha carro e saía do CT (em Vargem Grande) às 5h30 da manhã para treinar na Gávea às 9h30. Acordava às 5h, pegava um ônibus, o 382, que parava na praia de Ipanema. Eu chegava bem antes do treino, às vezes duas horas antes. Tinha que sair bem antes para não chegar em cima da hora. Engraçado que, quando estava chovendo, eu já ia reclamando. Eu sabia que tinha de descer do ônibus na praia de Ipanema e sair correndo para chegar à Gávea, e são cinco quarteirões. Chegava todo molhado. Lembro que o Renato Abreu ficava brincando comigo. Uma vez ele estava no vestiário e me disse: "Ê Paulo, é difícil andar de ônibus, né?", contando que andou muito de ônibus, que a vida dele não foi fácil. Eu levava aquilo como brincadeira e ao mesmo tempo para me motivar, para ver que aquilo tinha de ser passageiro. Por mais que eu entrasse pouco em coletivo, eu ia para as cobranças de falta e para os rachões com o pensamento de que aqueles eram os momentos para o treinador me ver e gostar de mim. Ninguém fica 10 anos por acaso. Se estou aqui esse tempo todo, é porque as pessoas foram apostando. É por causa desses pequenos detalhes.

Solidão pelos cantos do Ninho do Urubu
Na minha época morando aqui não existia nem a lan house que tem hoje. Eu treinava no sábado, e o time ia se concentrar. Eu tinha que me reapresentar na segunda ou na terça só. Então ficava sentado nos cantos no fim de semana. Meu passatempo era ouvir música no meu mp3 player. A internet não era tão fácil. Muitas vezes ficava sentado nos cantos do Ninho pensando na vida. Conheço o CT como poucos. Lembro da jabuticabeira que tinha, eu ficava sentado do lado dela, passava a noite. Não tinha o que fazer. Eu não tinha carro em 2005, então também ficava com os amigos, os outros meninos que moravam aqui.

Pastel e pizza do paizão PV
Quando fui melhorando um pouco, renovando contrato com o Flamengo, pensei em fazer alguma coisa para tirar um pouco os meninos daqui. Eu exigia que os meninos não fizessem qualquer jogo de aposta e diariamente cobrava arrumação nos quartos. Tinha o Anderson Bamba, que está na Alemanha, o Lorran... Sofreram muito na minha mão. Cobrava disciplina. Eu morava no CT em 2006, mas já tinha carro, aí não queria que eles passassem pela mesma coisa que passei, não ter o que fazer. Pegava os meninos todo sábado e os levava para comer pastel em Vargem Grande. Pegava o carro e levava cinco. Depois levava mais cinco. A gente comia pastel junto, tomava caldo de cana, e eu pagava para todos. A gente passava tempo junto. Às vezes eles chegavam para mim: "PV, essa semana foi dureza. Vamos comer pastel sábado e domingo?". Muitas vezes eu tinha que tomar cuidado, porque eles tinham jogo no dia seguinte, aí eu os trazia de volta cedo. Eu treinava na Gávea e lembro que, quando chegava ao Ninho e estava estacionando o carro, os meninos já corriam para deixar tudo ajeitado. Eu chegava e estava tudo bonitinho. Procurava dar carinho a eles. Ia à praia, levava alguns, depois voltava e levava mais um pouco no carro. Procurei fazer muito isso. Quando aluguei um apartamento no começo de 2007, eles me pediam: "Pô, PV! Não abandona a gente, não". Continuei fazendo. Às vezes a gente nem saía, mas eu vinha e pedia pizza para todo mundo. A rapaziada amava.
paulo victor flamengo (Foto: Fábio Castro / Agência Estado)Em 2011 PV ainda buscava seu espaço na Gávea
(Foto: Fábio Castro / Agência Estado)
Farofa de Dorival Júnior em 2012
Eu vinha crescendo no Flamengo quando o Joel Santana me deu a oportunidade de ser titular. O Dorival chegou, joguei dois jogos, aí ele me tirou. Naquele momento foi difícil engolir. Depois a gente pensa e começa a entender que as coisas são naturais da vida. Fiquei muito chateado ali, porque eu imaginava que era o meu momento. Lembro que ele me chamou na sala e disse: "Paulo, você ainda vai ser um dos melhores goleiros do Brasil, só quero que você tenha paciência". Por mais que eu tenha escutado aquilo, por dentro era como engolir farofa, não desce. Mas encontrei o Dorival outras vezes depois disso, é um grande treinador, e não tenho mágoa. Me entristeceu naquele momento, mas hoje entendi que talvez não fosse a hora certa. O Paulo Victor tinha que amadurecer mais. Ele disse que eu precisava ganhar mais experiência e colocou o Felipe de novo.

Decepção com Ney Franco em 2014
Fiquei chateado nesse episódio porque ouvi da boca do Ney Franco. Ele disse: "Olha Paulo, você agora é meu titular, confio em você". E ele tinha me ligado para eu ir para o Vitória um mês antes (Ney treinou o Vitória antes de ir para o Flamengo). Quando ele chegou ao Flamengo, achei que as coisas fossem mudar. Ele me disse que eu seria titular, e é bom ouvir isso. Fiz uns jogos e fui bem. Logo depois teve a parada para a Copa do Mundo. Fomos para Atibaia-SP treinar faltando um mês para voltar o Brasileiro. E comecei a perceber que ele estava me deixando de lado. Só que em nenhum momento ele veio conversar, dizer que não me colocaria. Isso foi passando, e eu sabia que não voltaria como titular. Segui trabalhando, batalhando. Fiquei triste por ele não ter chegado em mim e falado. Ninguém tem obrigação de me colocar, a gente tem que saber respeitar opinião dos outros e também obedecer, pois sou funcionário do clube. Mas com o Dorival, por mais que tenha sido ruim para mim, ele pelo menos me chamou para conversar. Começou o treino, o Ney Franco não me colocou (de titular), passou do meu lado e não falou nada comigo. Passaram duas rodadas, e ele foi mandado embora. Também tenho zero de mágoa. Chegou o Vanderlei, a quem sou muito grato, e assumi a titularidade de novo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário