piemonte fm

sábado, 11 de abril de 2015

Polícia investiga se criança morreu após agressão em escola no Ceará

 

Samuel Ferreira, de 12 anos, foi agredido por alunos e morreu na segunda.
Polícia Civil aguarda laudo que vai dizer se morte foi causa por agressão.

Do G1 CE
Polícia aguarda laudo para saber se morte tem relação com agressões (Foto: Arquivo pessoal)Polícia aguarda laudo para saber se morte tem
relação com agressões (Foto: Arquivo pessoal)
A Polícia Civil de Uruoca, no interior do Ceará, investiga se o garoto de 12 anos Samuel Ferreira morreu em consequência de agressões sofridas na saída da escola. O estudante sofreu agressões de um grupo de alunos mais velhos em março e faleceu em 6 de abril.
A certidão de óbito diz que Samuel Ferreira sofreu agressões por todo o corpo e morreu em consequência de um traumatismo crânio-encefálico. A Polícia Civil aguarda laudo do Instituto Médico Legal (IML), que vai apontar se o traumatismo ocorreu em consequência da agressão.
A irmã da vítima, Fábia Sousa, diz Samuel Ferreira não comunicou a família sobre as agressões de imediato, o que pode ter agravado a saúde do garoto, segundo os médicos. “Depois de alguns dias nós percebemos manchas vermelhas no corpo dele, foi quando ele admitiu que foi espancado na escola por causa de um relógio”, diz a irmã.
A família de Samuel procurou informações na escola sobre o caso, mas a diretora da escola diz que não ficou sabendo de qualquer caso de briga entre alunos na unidade nos últimos dias. “Nenhum professor ou funcionário ficou sabendo desse caso. Não há uma prova concreta que ligue a morte a uma briga aqui, mas a escola prestou toda a ajuda que podia”, diz Leomar Almada.
Samuel Ferreira chegou a ir à escola onde estudava dias depois do caso, mas foi hospitalizado e faltou a aulas seguintes. Segundo a família, ele sentia tonturas e dores no corpo.
O garoto foi sepultado na terça-feira (7), na zona rural de Uruoca, onde morava. No enterro, a família realizou um protesto contra a violência nas escolas, com cartazes e faixas.
A Polícia Civil de Uruoca já ouviu os adolescentes e pais de adolescentes que a família da vítima diz ter agredido. “Nós demos encaminhamentos de notificação de terceiro, os suspeitos e os pais deles já foram ouvidos. Agora é fundamental aguardar o laudo pericial, que vai ser feito em Sobral. Esse documento vai nos apontar se as lesões têm a ver com o óbito dele”, explica o inspetor da Polícia Civil Clécio Bonfim.
Família protesta contra violência nas escolas (Foto: TV Diário/Reprodução)Família protesta contra violência nas escolas (Foto: TV Diário/Reprodução)

Nenhum comentário:

Postar um comentário