piemonte fm

terça-feira, 24 de março de 2015

Ônibus sai da PF para levar presos da Lava Jato para presídio do Paraná

Justiça Federal autorizou transferência da PF para Complexo Médico Penal.

Presos seguirão normas como demais detentos, diz governo estadual.

Do G1 PR
Um ônibusfará a transferência dos presos (Foto: Aa Zimmermann/ RPC Curitiba)Um ônibus fará a transferência dos presos (Foto: Ana Zimmermann/ RPC Curitiba)
Um ônibus saiu do pátio da Polícia Federal (PF) nesta manhã de terça-feira (24) para levar os presos da Operação Lava Jato da carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, para o Complexo Médico Penal, na Região Metropolitana da capital paranaense. A Justiça Federal autorizou a transferência na segunda-feira (23), após a PF alegar superlotação.

O Complexo Médico Penal é uma unidade do sistema penitenciário do Paraná destinada a presos provisórios ou condenados que precisam de atendimento psiquiátrico ou ambulatório. Os investigados da Operação Lava Jato - executivos de empresas, ex-diretores, e supostos operadores -  ficaram em celas separadas da maioria dos detentos e, assim como os demais presos, seguirão as mesmas regras dos demais presos.

A transferência da carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, para o Complexo Médico Penal foi solicitada pela Polícia Federal. A instituição alegou superlotação do espaço. A instituição ainda argumentou que alguns presos não podem se comunicar entre si e, diante do número de detentos, fica difícil acomodá-los em apenas seis celas.

Todos são acusados de participação no esquema bilionário de corrupção, desvio e lavagem de dinheiro atuante dentro da Petrobrás. Eles começaram a entrar no ônibus um pouco depois das 8h, usando capuz e escondendo o rosto. Logo em seguida, o veículo saiu rumo ao Complexo Médico Penal.
Um pouco depois das 8h, os presos começaram a entrar no ônibus (Foto: Ana Zimmermann/ RPC Curitiba)Um pouco depois das 8h, os presos começaram a entrar no ônibus (Foto: Ana Zimmermann/ RPC Curitiba)
A Justiça autorizou a transferência de 12 presos.
Adir Assad, empresário apontado como um dos operadores do esquema de corrupção;
Agenor Franklin Magalhães Medeiros, diretor-presidente da área internacional da OAS;
Erton Medeiros Fonseca, diretor de negócios da Galvão Engenharia;
Fernando Antônio Falcão Soares, lobista conhecido como Fernando Baiano, apontado como um dos operadores do esquema de corrupção na Petrobras;
Gerson de Mello Almada, vice-presidente da empreiteira Engevix;
- João Ricardo Auler, presidente do Conselho de Administração da Camargo Corrêa;
José Aldemário Pinheiro Filho, presidente da OAS;
José Ricardo Nogueira Breghirolli, apontado como contato de doleiro com a OAS;
Mário Frederico Mendonça Góes, apontado como um dos operadores do esquema;
Mateus Coutinho de Sá Oliveira, funcionário da OAS;
Renato de Souza Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras;
Sérgio Cunha Mendes, vice-presidente executivo da Mendes Júnior

O juiz Sérgio Moro, responsável pelas ações penais em primeira instância, entretanto, não autorizou a transferência de Nestor Cerveró, ex-diretor da área Internacional da Petrobras. Segundo o magistrado, o réu já estaria recebendo assistência psicológica na carceragem da Polícia Federal. O pedido do tratamento foi feito pela defesa de Cerveró no início de fevereiro, após o ex-diretor passar mal na sede da PF.
Outro preso que teve o pedido de transferência negado foi o presidente da construtora UTC, Ricardo Ribeiro Pessoa, por solicitação do Ministério Público Federal (MPF).
Além dos dois, permanecem na sede da PF: o doleiro Alberto Youssef, os executivos da Camargo Corrêa Dalton dos Santos Avancini e Eduardo Leite, além das doleiras Nelma Kodama e Iara Galdino, já condenadas em uma das primeiras ações oriundas da Lava Jato.

Transferência para o DF
No domingo (22), a defesa do vice-presidente da empreiteira Mendes Junior, Sérgio Cunha Mendes, protocolou na Justiça Federal do Paraná um pedido para que Mendes fosse transferido para o presídio da Papuda, em Brasília.
Contudo, Sérgio Moro negou o pedido da defesa. O magistrado alegou que a presença de Cunha Mendes em Curitiba "ainda se mostra necessária".

A rotina no Complexo Médico Penal
A ala que os presos da Lava Jato vão ficar é destinada a receber presos que possuem nível superior e policiais. Atualmente, 90 pessoas estão detidas na ala.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (Sesp) do Paraná, os presos da Lava Jato poderão interagir com outros detentos  durante os banhos de sol, que devem durar uma hora. A roupa será o uniforme fornecido pelo Departamento de Execução Penal (Depen), uma calça cinza, azul ou laranja e camiseta branca.

Ao entrar na cela, os presos vão receber um kit que tem, entre outras coisas, escova de dentes e papel higiênico.

Ao todo, serão cinco celas usadas pelos presos transferidos. No local, é possível colocar uma televisão, mas eles não podem ter ventiladores. O acesso a livros e revistas só será possível pelo acervo da biblioteca do presídio. A alimentação também será a que é fornecida pelo Depen. Não é possível levar objetos pessoais para a unidade.
Arte - Operação Lava Jato - 10ª fase (Foto: Arte/G1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário